BEM-ESTAR

Transplante de órgãos

O que você precisa saber antes de doar órgãos

Há 33 mil brasileiros à espera de transplante, alerta Abto
doação de órgãos, transplante de órgãos
Crédito: iStock

Os brasileiros precisam entender três fatores antes de decidir se vão ou não doar órgãos: a legislação do país, a regulamentação técnica e a necessidade dos 33 mil pacientes na fila à espera de um transplante (de todos os órgãos e tecidos, exceto medula óssea). O alerta é feito pelo presidente da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (Abto), o médico nefrologista Roberto C. Manfro. “Esse número cresce um pouco a cada ano. Isso é um problema, mas acontece no mundo todo. Não conseguimos atender à demanda”, lamenta. Continuar lendo “Transplante de órgãos”

VACINA

Câncer de colo do útero

Por que vacinar sua filha contra o HPV?

Uma mulher morre com câncer do colo do útero a cada 3 horas

A vacina contra o papilomavírus humano (HPV) enfrenta resistência de pais e mães em sentinela. A polêmica envolve de temidas reações à imunização a questões culturais. “As pessoas demonstram preocupação com a vacina, mas não consideram a frequência e a gravidade do câncer do colo do útero”, alerta o médico pediatra, epidemiologista e mestre em infectologia José Geraldo Leite Ribeiro, secretário do Departamento de Imunização da Sociedade Brasileira de Pediatria e professor da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais.

Segundo ele, a cada três horas aproximadamente, uma brasileira morre com câncer do colo do útero. O HPV engloba mais de 150 tipos diferentes de vírus. Pelo menos 13 deles estão associados ao câncer de colo do útero. Continuar lendo “Câncer de colo do útero”

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

Medicamentos

Os riscos do abuso de analgésicos e antitérmicos

Uso indiscriminado pode causar graves problemas de saúde
analgésicos e antitérmicos
Crédito: Freerange Stock Archives

Os analgésicos e antitérmicos constituem importante causa de hospitalização (2% a 9%), prolongamento das internações e aumento de gastos com a saúde. O alerta é feito pelo diretor da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) e do Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais (Sindifarmig), farmacêutico Rilke Novato Públio. “Além de serem responsáveis também por um alto número de intoxicações”, complementa. A grande maioria dos efeitos colaterais, explica Públio, ocorre por doses consumidas em excesso. “Aquela prática de ‘a dor ou febre não quer cessar, vou tomar outro comprimido’ ainda é muito comum nos nossos dias”, diz. Continuar lendo “Medicamentos”