Podcasts Papo no Consultório

Podcasts Papo no Consultório (19 a 23 de junho)

Confiram os podcasts da coluna Papo no Consultório:

#Áudio 1 – Você conhece sua taxa de colesterol?

Pesquisa da Sociedade Brasileira de Cardiologia mostra que quase sete em cada dez brasileiros não conhecem sua taxa de colesterol.

Continuar lendo “Podcasts Papo no Consultório (19 a 23 de junho)”

BEM-ESTAR

Angioedema hereditário: uma doença rara e desconhecida até por profissionais de saúde

Doença rara, angioedema hereditário é confundido com alergia

Desconhecimento leva à demora do diagnóstico, e pacientes sofrem durante anos até receberem o tratamento correto

Uma doença genética rara, desconhecida até por profissionais de saúde e, muitas vezes, confundida com alergia. Você, muito provavelmente, nunca ouviu falar sobre o angioedema hereditário. A doença provoca crises recorrentes de edema (inchaço) na mucosa de vários órgãos e na pele. São comuns inchaços que “deformam” rosto, braços, mãos, pernas e pés, além de fortes dores abdominais. Continuar lendo “Angioedema hereditário: uma doença rara e desconhecida até por profissionais de saúde”

Depoimentos

Câncer infantil: o depoimento de uma mãe que luta há um ano contra a doença

“Aos 5 anos, Caroline apresentava sinais incomuns para a idade”

Garota com câncer infantil consegue superar momentos difíceis e, hoje, depende de acompanhamento para manter doença sob controle
Mari Diniz, 30
Mãe da Caroline, 6, que foi diagnosticada com câncer no córtex da suprarrenal no ano passado. Ela criou a campanha #todosjuntospelaCarol no Twitter (@MariDiniz086) para ajudar na continuidade do tratamento da filha.
câncer infantil
Crédito: Arquivo Pessoal/Mari Diniz

“Em outubro de 2006, quando eu tinha 19 anos, perdi minha mãe. Ela descobriu o câncer de mama quando eu estava com 11 anos. Retirou o seio e fez a quimioterapia em Belo Horizonte (MG). Nos meus 15 anos, o câncer dela voltou, dessa vez no estômago. Ela retirou parte do estômago e ficou livre. Eu tinha 19 anos quando minha mãe descobriu uma recidiva agressiva que acometeu o pâncreas dela. Ela morreu três meses após a minha formatura no ensino médio.

Meu mundo caiu. Eu me senti sem chão. Uma dor horrível, sem explicação. Fiquei deprimida, desestruturada.Recebia muito apoio do meu pai e dos meus quatro irmãos – somos três mulheres e um homem. Mas não era o mesmo apoio da minha mãe. Continuar lendo “Câncer infantil: o depoimento de uma mãe que luta há um ano contra a doença”