BEM-ESTAR

Diabetes: mitos e verdades

Tire suas dúvidas sobre o diabetes

Doença atinge 8,9% dos brasileiros com mais de 18 anos
diabetes
Crédito: Freepik

Nos últimos dez anos, o índice de diabéticos cresceu 61% no Brasil. Os dados, da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2017, mostram que o percentual dos brasileiros maiores de 18 anos que residem nas capitais e que têm o diagnóstico de diabetes subiu de 5,5% em 2006 para 8,9% em  2016. Confira alguns mitos e verdades sobre a doença, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes.

Diabetes não é uma doença tão séria.

Mito. Se você controlar a doença adequadamente, você pode prevenir ou adiar as complicações. Dois em cada três diabéticos morrem em função de problemas cardiovasculares ou derrame.

Se você está acima do peso ou obeso, um dia vai desenvolver diabetes tipo 2.

Mito. Estar acima do peso é, sim, um fator de risco para o tipo 2 da doença, mas há outros, como a história familiar e a idade. Muitas pessoas magras ou com peso normal têm diabetes e muitas outras com sobrepeso nunca desenvolvem a doença.

É muito fácil saber se você tem diabetes, os sinais são claros.

Mito. A doença não tem sintomas claros. Algumas pessoas com pré-diabetes, por exemplo, podem apresentar sinais mais aparentes do que um diabético. As complicações também não são iguais para todas as pessoas. É importante realizar exames de rotina, saber quais são os fatores de risco e buscar o diagnóstico.

Comer muito açúcar causa diabetes.

Essa resposta não é tão simples. O diabetes tipo 1 é causado por fatores genéticos e outras causas ainda desconhecidas. O diabetes tipo 2 é causado por fatores genéticos e estilo de vida. Estar acima do peso contribui para o risco de desenvolvimento do tipo 2, e uma dieta hipercalórica, não importando a fonte das calorias, favorece o ganho do peso.

Pessoas com diabetes devem comer alimentos especiais para diabéticos.

Mito. Uma refeição saudável significa, geralmente, a mesma coisa para um diabético e uma pessoa sem a doença. Com pouca gordura, principalmente saturada e trans; moderada em sal e açúcar; privilegiando cereais integrais, vegetais e frutas. Comida ‘diet’ quase sempre não oferece benefícios extras. A alimentação saudável é aquela indicada pela equipe multidisciplinar, formada por médicos, nutricionistas, educadores físicos, psicólogos, cardiologistas, podólogos e enfermeiros.

Se você tem diabetes, só deve comer pequenas quantidades de alimentos ricos em amido, como pão, batata e massas.

Depende. Alimentos ricos em amido podem fazer parte do planejamento de uma alimentação saudável, mas o tamanho da porção é a chave. Pães integrais, cereais, massa, arroz e vegetais como batatas, inhame, ervilha e milho podem ser incluídos nas refeições e petiscos. Você está se perguntando quanto de carboidrato pode comer? Isso vai depender do controle que você faz – dependendo de como estão seus níveis de glicose no sangue, você precisará comer mais ou menos carboidratos. Como a ajuda da equipe multidisciplinar e do Manual de Contagem de Carboidratos da Sociedade Brasileira de Diabetes, essa tarefa se torna mais fácil e natural.

Pessoas com diabetes não podem comer doces ou chocolate.

Mito. Doces e chocolates podem ser consumidos, se estiverem dentro de um planejamento alimentar combinado com exercícios físicos. Há algum tempo, eles deixaram de ser proibidos. Mas devem ser consumidos em pequenas porções e em ocasiões especiais. Outra dica importante é evitar pular refeições.

Diabetes pode ser transmitido de uma pessoa para outra.

Mito. O diabetes não é uma doença contagiosa. As causas são genéticas e, no caso do tipo 2, associadas ao estilo de vida.

Pessoas com diabetes estão mais propensa a ter gripes e outras doenças.

Mito. Não há comprovação de que você estará mais sujeito a gripes e resfriados, mas é importante se prevenir, tomando a vacina anual, para evitar complicações.

Se você tem diabetes tipo 2 e é comunicado pelo médico que deverá começar a tomar insulina, isso significa que você falhou no controle.

Mito. Para a maioria das pessoas, o tipo 2 é uma doença progressiva. Assim que diagnosticadas, muitas pessoas conseguem manter seu nível de glicose normal apenas com o uso de medicamentos orais, planejamento alimentar e atividade física. Ao longo do tempo, no entanto, o organismo produz cada vez menos insulina. A medicação pode não ser suficiente para controlar a taxa de glicemia. Usar insulina para controlar a glicose é uma coisa boa, não ruim.

Frutas são saudáveis e estão liberadas.

Mito. As frutas são, sim, alimentos saudáveis, pois contêm fibras, vitaminas e minerais. Mas nem sempre vão estar liberadas. Depende do tipo de fruta, das suas taxas de glicemia, das suas refeições e outros fatores. Por conter carboidratos, as frutas devem ser incluídas no planejamento alimentar e na contagem. Converse com sua equipe multidisciplinar sobre a quantidade, a frequência e os tipos de frutas aconselhados para você.

Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes
Leia também:

Pé diabético: sinais e formas de prevenção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *