BEM-ESTAR

Prevenção na terceira idade

Exercício resistido para idoso ajuda a prevenir queda

Treino fortalece resistência e equilíbrio reduzidos na terceira idade
Crédito: Divulgação/Instituto Biodelta
Crédito: Divulgação/Instituto Biodelta

Alterações fisiológicas decorrentes do envelhecimento podem se tornar obstáculos diários na vida de quem tem 60 anos ou mais. A redução da visão e da audição, o sedentarismo, os distúrbios músculo-esqueléticos (fraqueza muscular e degenerações articulares) e as alterações na postura, no equilíbrio e na locomoção são algumas das principais causas da queda na terceira idade.

“Estatísticas mostram que cerca de 40% das pessoas de 65 anos ou mais tiveram queda no último ano. Esse percentual sobe para 50% entre os idosos de 80 anos ou mais”, alerta a fisioterapeuta Luciana Mastandrea, coordenadora da fisioterapia do Instituto Biodelta, em São Paulo.

Os números mostram que é preciso investir na prevenção, seja tornando o ambiente mais seguro ou melhorando a resistência muscular na terceira idade. “O exercício resistido, com movimentos que utilizam pesos, tem demonstrado efeitos promotores de força e de saúde cardiovascular com alto grau de segurança geral”, afirma.

A força exercida nos treinos permite a recuperação da postura nos desequilíbrios com menor impacto nas articulações. “Qualquer pessoa pode iniciar os exercícios resistidos desde que tenha a supervisão de um professor de educação física ou de um fisioterapeuta que entendam de doenças e adaptações dos exercícios”, explica Luciana. Esse tipo de treino apresenta evidências científicas para a promoção de saúde e para a reabilitação e, segundo a fisioterapeuta, pode ser mais suave, inclusive, do que o caminhar.

Indicação

Os exercícios resistidos são eficientes para fortalecer ossos, músculos e tendões. “Também melhoram a força, a resistência, o equilíbrio e a mobilidade articular. Contribuem para uma boa qualidade de vida e mais segurança no dia a dia”, explica a fisioterapeuta.

“Os estudos com pessoas idosas têm documentado a importância dos efeitos dos exercícios resistidos para melhorar a qualidade de vida por meio do alívio de dores articulares, maior independência funcional, melhora da autoestima e menor risco de quedas”, diz Luciana. Segundo a fisioterapeuta, também têm sido demonstradas as seguranças musculoesquelética e cardiovascular mesmo diante de comorbidades.

exercício resistido para idosos
Crédito: Divulgação/Instituto Biodelta
Complicações da queda

A queda é a terceira causa, em geral, de morte em idosos, segundo Luciana. Entre as principais consequências dela, estão as fraturas do fêmur, que causam um período médio de internação de 15 dias e longa reabilitação. A fisioterapeuta alerta que o idoso acamado perde 1,5% da força muscular por dia, podendo chegar a 10% por semana.

Outras consequências da queda na terceira idade são lesões na cabeça, depressão e morte por infecção pulmonar em internações prolongadas. Além dos efeitos negativos no corpo, há mudanças comportamentais, como o medo de cair, trauma que acaba levando a novas sequências de queda.

Leia também: “Não temos hábito de procurar consultório para prevenção”

Causas mais comuns da queda entre idosos*

Queda da pressão arterial ao levantar da cama – 22%
Esbarrões ou escorregões em objetos que não foram vistos – 19%
Enfraquecimento de ossos e músculos – 18%
Uso de calçados inapropriados – 14%
Obstrução dos caminhos dentro de casa como móveis, escadas, tapetes – 11%

* Conforme relatos de pacientes

Fonte:Fisioterapeuta Luciana Mastandrea, coordenadora da fisioterapia do Instituto Biodelta, em São Paulo. A instituição se dedica às aplicações, ao ensino e à pesquisa do treinamento resistido e ministra cursos de pós-graduação em treinamento resistido na saúde, na doença e no envelhecimento em parceria com a Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP – Universidade de São Paulo.

Três dicas para prevenir a queda

1) Preste atenção no uso de bengalas e andadores e oriente o idoso para o uso correto deles.

2) Oriente o idoso sobre os calçados mais adequados e sobre os cuidados com os pés.

3) O ambiente deve ser adequado para quem tem dificuldades para se locomover.  Precisa estar livre de tapetes, sem fios soltos e com boa iluminação. Cores diferentes ajudam a destacar as peças dos banheiros em relação ao chão.

Fonte: Fisioterapeuta Luciana Mastandrea, coordenadora da fisioterapia do Instituto Biodelta, em São Paulo. A instituição se dedica às aplicações, ao ensino e à pesquisa do treinamento resistido e ministra cursos de pós-graduação em treinamento resistido na saúde, na doença e no envelhecimento em parceria com a Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP – Universidade de São Paulo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *