BEM-ESTAR

Pé diabético: sinais e formas de prevenção

Saiba mais sobre o pé diabético

Enfermeira especialista no tratamento de feridas alerta para importância da prevenção
pé diabético
Crédito: Freepik

Estima-se que 50% das pessoas que têm diabetes não estão diagnosticadas. E uma pessoa que tem diabetes sem saber também corre riscos de ter o chamado “pé diabético”. Esse é o maior risco. “Quando a pessoa desconhece que tem diabetes, não controla a glicemia, e as taxas elevadas ocasionam os danos”, alerta a enfermeira estomaterapeuta Suely Rodrigues Thuler, especialista em podiatria e diretora do Departamento de Comunicação e Marketing da Associação Brasileira de Estomaterapia (Sobest).

O pé diabético é uma séria complicação do diabetes. “Compreende todas as situações de risco para os pés, decorrentes, principalmente, da lesão dos nervos (neuropatia) e dos vasos (vasculopatia)”, explica Suely. E essas alterações, se não forem tratadas, podem levar a graves consequências como a amputação dos pés, de parte deles ou de todo o membro inferior.

O exame para detecção do diabetes é simples e deve ser realizado, principalmente, por todos que têm história familiar, obesidade e sedentários, orienta a enfermeira. “Existem sinais, daí a importância da avaliação do grau de risco”, diz.

Segundo ela, o Consenso Internacional do Pé Diabético, em publicação recente, recomenda que todas as pessoas com diabetes tenham seus pés examinados por profissionais uma vez por ano. Mas, de acordo com o resultado, o exame deve ser feito a cada seis meses, três meses ou até uma vez por mês.

O que pode desencadear o pé diabético?

A hiperglicemia – taxa aumentada de glicose (açúcar) no sangue – prejudica as artérias (vasos que levam nutrientes e oxigênio a todas as células do corpo) e os nervos – responsáveis por informar ao cérebro, como as sensações de temperatura (quente e frio), de dor, de tato e de pressão.

Quais as principais complicações?
A lesão dos nervos causa:
  • Redução da sensibilidade, que leva ao risco de queimaduras, cortes, bolhas etc que não são percebidas pelas pessoas, podendo evoluir para feridas extensas, profundas e infectadas.
  • Redução da umidade dos pés, tornando a pele seca e com tendência a fissuras (rachaduras), mais comuns nos calcanhares.
  • Alterações do formato dos pés, que passam a ter áreas com maior pressão e, como consequência, formação de calosidades espessas que pressionam os tecidos abaixo da pele, ocasionando sangramentos internos e feridas.
A doença dos vasos causa:
  • Diminuição da nutrição dos tecidos, facilitando o aparecimento de feridas.
  • Pele seca, com tendência a fissuras.
  • Dificuldade de cicatrização.
  • Gangrena.
Quais as formas de prevenção?

Suely defende que é preciso orientar e conscientizar a pessoa com diabetes e seus cuidadores e familiares sobre a importância da prevenção. “Toda prevenção começa com o esforço para manter uma boa compensação das taxas de glicemia e com a identificação dos pacientes sob risco, através de exames de sensibilidade, da estrutura e da circulação sanguínea nos pés”, explica a enfermeira.

Medidas preventivas:
  • Educação e informação à população sobre a diabetes e possíveis complicações.
  • Controle rigoroso da glicemia.
  • Autoexame diário dos pés ou pelo cuidador.
  • Avaliação do grau de risco para desenvolver lesões, por profissionais da saúde (todas pessoas com diabetes – uma vez por ano).
  • Uso de calçados que acomodem os pés sem apertá-los ou “amontoar” os dedos por terem os bicos estreitos.
  • Hidratação da pele (não passar creme entre os dedos).
  • Tratamento médico da neuropatia e da vasculopatia.
  • Corte das unhas sem aprofundar nos cantos (de forma mais reta).
  • Não cortar as cutículas (elas protegem a raiz da unha).
  • Tratamento de calos enfermeiro podiatra ou enfermeiro com capacitação procedimentos podiátricos em pés diabético.
  • Tratamento das úlceras isquêmicas e neuropáticas por enfermeira especialista.
 Como é o tratamento do pé diabético?

O tratamento das úlceras (feridas) deve ser realizado por uma equipe interdisciplinar e especializada. “É importante que a pessoa procure ajuda profissional assim que perceber qualquer alteração, o que facilitará e proporcionará bons resultados no tratamento”, orienta Suely.

A enfermeira explica que o agravamento das lesões pode ser muito rápido e grave, podendo levar a internações e até amputações. “Quanto à imobilização, dependendo do local da ferida, será fundamental o uso de medidas especiais que eliminem a pressão sobre o local da ferida (andadores, muletas e calçados especiais, entre outros)”, alerta.

Três perguntas
  1. Qual profissional pode tratar o pé diabético? O ideal é que seja tratado por uma equipe interdisciplinar constituída por médico especialista em diabetes, enfermeiro, nutricionista, psicólogo e fisioterapeuta.
  2. O que é proibido para quem tem pé diabético? Deixar de observar os pés diariamente. Quem tem dificuldade pode utilizar um espelho para visualizar melhor ou solicitar que um familiar examine.
  3. E o que todo diabético deve fazer? Observar bem o tipo de calçado que adquire e seguir as orientações dos profissionais especializados.
Fonte: Suely Rodrigues Thuler. Enfermeira Estomaterapeuta TiSOBEST. Especialista em Podiatria. Diretora do Departamento de Comunicação e Marketing da Associação Brasileira de Estomaterapia (Sobest).
Leia mais:

Mãe conta a sua luta em busca de tratamento para a filha com diabetes tipo 1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *